Taxa de ocupação dos leitos hospitalares é monitorada diariamente, explica Rosana Linhares

“A taxa de ocupação é calculada sobre os leitos disponíveis todos os dias. Entende-se disponibilidade pela existência dos leitos, dos equipamentos e da mão de obra contratada”, explicou, nesta quarta-feira (29), a secretária municipal de Saúde, Rosana Linhares Assis Figueiredo, após solicitação de esclarecimentos por parte da imprensa e da comunidade. A dúvida da população parece estar ligada ao aumento do número de casos positivos para o novo coronavírus (Covid-19), e consequentemente de internações em Itabira.

Dados da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), relatados ainda nesta quarta-feira (28), informam que o município conta atualmente com 51 leitos de enfermaria (17 do HNSD e 34 do HMCC) e 14 de UTI (dois no HNSD e outros 12 no HMCC) para Covid-19. Mesmo com esses números, a Prefeitura de Itabira investe em novos leitos. Sobre esses leitos disponíveis, operacionais, a taxa de ocupação calculada nesta data para leitos Covid-19 em Itabira, somados os dois hospitais, é de 22% para os leitos de enfermaria/clínica médica e 36% para os leitos de UTI.

No HMCC, estão internados quatro pacientes (um de Barão de Cocais e três de Santa Bárbara) na enfermaria, que possui 34 leitos disponíveis. Assim, a taxa de ocupação é de 11,76%. Já na Unidade de Terapia Intensiva (UTI), dos 12 leitos disponíveis, cinco estão ocupados, o que significa 41,67% da capacidade (dois pacientes de São Gonçalo do Rio Abaixo, um de Santa Bárbara, um de Barão de Cocais e outro de Itabira).

No HNSD, de acordo com o boletim divulgado, nos 17 leitos operacionais de enfermaria, o número de pacientes internados na ala para Covid-19 são sete: cinco de Itabira e dois da microrregião, resultando numa taxa de ocupação de 41,18%. Nos dois leitos de UTI não foram registrados pacientes até a hora da apuração.

“O Município assertivamente tem autorizado a compra dos equipamentos e contratação de profissionais para a ampliação de novos leitos, conforme a demanda vai aumentando. Isso gera a utilização correta dos recursos públicos, não gerando gastos em tempo inadequado ou em estruturas ociosas. Temos em obras, com previsão de entrega em agosto, mais 15 leitos de UTI no Nossa Senhora das Dores e outros 33 leitos clínicos, enfermaria, no Carlos Chagas, que também serão liberados conforme necessidade ou planejamento.”, explicou Rosana Linhares.

Vale ressaltar que os leitos, tanto de enfermaria quanto de UTI, disponíveis para atendimento à Covid-19 em Itabira também devem receber pacientes dos municípios da microrregião de Saúde. Dessa forma, controlar o aumento de casos da doença na cidade pode não ser suficiente para manter ou reduzir a ocupação dos leitos. “Por isso, a importância de toda a região continuar com o isolamento social e os hábitos de higiene. Não queremos, e principalmente não podemos correr o risco do aumento de casos de internação neste momento. Não é hora de relaxar a quarentena”, alertou.

Saiba mais

O total de leitos atual planejado pelo Plano de Contingência de Itabira, e encaminhado para o Plano Estadual de Contingência da Região Macro Centro, é de até 88 de enfermaria e 29 de UTI (117 leitos exclusivos para Covid-19), no pico da transmissão. Esse número deverá atender à população de 13 municípios que fazem parte da microrregião de Saúde de Itabira.

Segundo Rosana Linhares, esta estimativa foi baseada nos dados e informações disponíveis sobre a Covid-19 até o momento, estudada pelo Coes Minas e é passível de alterações em virtude do transcorrer da pandemia em Minas Gerais. “Neste mesmo sentido, o Plano de Contingência do município não é estático, podendo ser adequado com mais ou menos leitos, conforme a estimativa vai se consolidando. Portanto, a gestão de leitos hospitalares é extremamente dinâmica. A implantação e disponibilização de novos leitos para Covid-19 no município, desde o início da pandemia, vem sendo tratado com muita responsabilidade, de acordo com que a necessidade surge, fase a fase, e claro, quando são colocados mais leitos num determinado momento a taxa de ocupação cai naquele momento, o que não significa que a pandemia já retraiu”.

Remanejamento

Para otimizar a capacidade de atendimento, a SMS executa controles para acompanhar e remanejar leitos em qualquer tempo conforme a demanda. Toda estrutura hospitalar de Itabira foi ampliada, o que conforto para todos do município e da população dos demais municípios que dependem dessas importantes ações, o que já é considerado um dos maiores feitos de todos os tempos na saúde da região por ser de extremo valor em todos os sentidos.

A disponibilidade de leitos para pacientes Covid-19 e não Covid é monitorada diariamente e conforme necessidade, a grade de leitos em oferta pode ser alterada, garantindo a assistência, com o rigor e segurança necessários.

ASCOM PMI