O suicídio, um mal que ataca em silêncio.

Olá, falaremos essa semana de um assunto que está em alta mas que poucos pessoas se arriscam a falar. Esse assunto pode te alertar e também te ajudar a ajudar alguém.

O suicídio é um ato desesperador, um basta que a vítima dá a seus dias, lembrando que quem age dessa forma não deseja acabar consigo mesmo e sim com os diversos problemas que enfrenta, e sendo um dos principais dele é a depressão que é caracterizada pela perda ou diminuição de interesse e prazer pela vida, gerando angústia e prostração, algumas vezes sem um motivo evidente.

E esse número vem aumentando assustadoramente e atenção deve ser redobrada a qualquer sintomas que vamos ver logo abaixo:

Se você estiver assim ou perceber que algum amigo ou parente esteja assim, é preciso atentar. Os pensamentos ruins invadem sem se quer desejar, e são alimentados pela falta de visão das saídas dos problemas que a pessoa está no momento.

Segue alguns sinais e sintomas

Cansaço extremo, fraqueza, irritabilidade, angústia, ansiedade incontrolável, baixa autoestima, insônia (ou sono de má qualidade), falta de interesse por atividades que antes davam prazer, pensamentos pessimistas, pensamentos frequentes sobre a morte algumas pessoas o assunto é só nesse ramo, comportamentos compulsivos, dificuldade para se concentrar, problemas ou disfunções sexuais, sensação de impotência ou incapacidade para os afazeres do dia a dia.

Contudo, há uma situação específica que precisamos dar atenção que são os fatores de risco. Vejamos em que consiste:

Histórico familiar, transtornos psiquiátricos correlatos, estresse crônico, ansiedade crônica, disfunções hormonais, excesso de peso, sedentarismo e dieta desregrada, vícios (cigarro, álcool e drogas ilícitas), uso excessivo de internet e redes sociais, traumas físicos ou psicológicos, pancadas na cabeça, problemas cardíacos, separação conjugal, enxaqueca crônica.

Os adolescentes não estão descartados de estarem também nesse quadro de sintomas e devido a certos status como rebeldia e coragem, a atitude pode ser ainda maior. Os pais precisam estar ligados nesse contexto.

Mas vamos ao que podemos fazer para sair dessa situação ou ajudar alguém. O ideal é que a mente sempre esteja ocupada com movimentações positivas, e que ao redor da pessoa esteja pessoas que o incentivam.

Há atos/atitudes que se pode fazer para ajudar:

Fazer exercício físico regularmente como caminhada, natação ou futebol; passear em locais ao ar livre e muito luminosos; expor-se ao sol por 15 minutos, diariamente;  ter uma alimentação saudável; evitar álcool e tabaco; dormir bem, de preferência entre 6 a 8 horas por dia; ouvir música, ir ao cinema ou teatro; fazer voluntariado numa instituição; melhorar a autoconfiança; não ficar só; evitar o estresse; evitar passar o tempo todo em redes sociais como o face book, evitar os pensamentos negativos e pessoas de mau humor.

Atitudes simples mas que pode salvar uma vida. Sugestão também é procurar uma pessoa especializada para uma consulta, ou seja, um psicólogo.

Agora, temos também o serviço por telefone que ajuda e muito nesses casos que é o CVV. Quando a tristeza bater, pode ligar para esse serviço e terá todo o atendimento necessário.

Ligue 188, do fixo ou do celular.

Indique para quem precisar ou se for você mesmo, faça o teste!

Você é muito especial! Sua vida é extremamente importante!!

Você é capaz de ser muito mais a cada dia!

Aposte em você!!

Por Karine Antunes

error: PROIBIDA REPRODUÇÃO, USE AS FERRAMENTAS DE COMPARTILHAMENTO .