Falando de saúde… Câncer de próstata mata!

Quando falamos em câncer de próstata estamos falando da segunda causa de morte entre os homens no brasil, ficando atrás somente do câncer de pele, segundo o INCA (Instituto Nacional do Câncer), cerca de 70 mil novos casos serão diagnosticados nos próximos anos e a prevenção é a melhor saída.

Quando falamos do Câncer de próstata alguns fatores devem ser observados: a idade é um fator de risco importante, homens acima dos 50 anos, outro fator importante é a hereditariedade pai e irmãos que tiveram câncer de próstata, obesidade, contato com substâncias químicas, consumo excessivo de álcool e cigarros também devem ser levados em consideração para o aumento da incidência do câncer de próstata.

Diferente das mulheres, os homens geralmente tem maior resistência em procurar ajuda de um profissional da área ou até mesmo relatar que está observando alguns sinais e sintomas: dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante ao dia ou à noite, sangue na urina ou diminuição no jato da urina, assim o tempo vai passando e muitas vezes quando chega a procurar orientação o tumor já está em fase avançada e o tratamento será mais agressivo e em muitos casos sem o resultado esperado que é a cura.

Assim a detecção precoce de alterações na próstata fará toda a diferença na eficácia e resultados do tratamento, ao perceber qualquer alteração um profissional da área da saúde deve ser consultado, assim a detecção de um possível câncer ou alteração será realizada no início da doença e os resultados serão satisfatórios.

Para identificação precoce procure um médico urologista, além de um exame clínico ele pedirá alguns exames que devem ser feitos com rotina após os 50 anos ou assim que identificar alguma alteração, dois exames são importantes (PSA: que é um exame de sangue) e o toque retal, lembrando que um exame não substitui o outro e que somente o médico poderá decidir o melhor método de diagnóstico, podendo solicitar outros exames complementares.

O certo é que a maioria dos homens tem receio do toque retal, o que faz com que a maioria não procure auxílio médico assim que se iniciam os primeiros sintomas, o preconceito deve ser quebrado e essa cultura machista deve ser deixado de lado, afinal viver vale muito a pena e o diagnóstico precoce faz toda a diferença em qualquer tratamento.

RKIO NOTÍCIAS / TIAGO MUZZI